Feira da Afonso Pena – Feira Hippie

Tudo começou em 1969, quando alguns artistas e estudantes ligados às artes plásticas tiveram a idéia de expor seus trabalhos artísticos experimentalmente na praça da Liberdade, local arborizado, cercado pelo belo conjunto arquitetônico e que era pouco freqüentado pelos belorizontinos na época. De início houve uma certa dificuldade, por parte da prefeitura, em permitir a exposição de trabalhos artísticos livremente, pois estava em pleno vigor o AI-5, ideologia política que vedava qualquer manifestação contra a ordem vigente. Existia ainda a idéia de que as autoridades municipais tinham preferência pela arte acadêmica e temiam que a praça viesse a ser ocupada pelos modernistas, porém, estes fatos não impediram a realização da feira como um evento esporádico.

Evento permanente

Ao visitar a feira em 1971, o governador de Minas Gerais Israel Pinheiro desejou que a praça voltasse a ser freqüentada pelo povo e apoiou a realização da feira como um evento permanente deixando surpresos os funcionários da prefeitura, que não tinham o menor interesse em sustentar um aglomerado de “Hippies” naquele nobre local. Somente a partir desta visita é que a feira passou a ter uma periodicidade fixa.

Logo, a feira hippie foi se tornando um ponto de encontro de moradores e turistas.Frente ao grande número de visitantes, o que tornava a praça pequena para a realização da feira e levando em conta o risco de degradação ambiental, a feira foi transferida, em 1991, para a avenida Afonso Pena . Existem atualmente cerca de 3000 expositores divididos em 17 setores.

Consolidou-se assim como um patrimônio cultural e turístico da capital tornando-se uma das maiores feiras em espaço aberto da américa latina, ampliando suas atividades e crescendo em diversidade, se tornando nos dias atuais um dos maiores pontos de produtos artesanais do país, recebendo milhões de visitantes de todos os cantos do Brasil e até do exterior. O turista tem na feira um autêntico encontro com o artesanato e a culinária típica, expressões da grande riqueza cultural verificada no Estado.

 

Endereço: Avenida Afonso Pena, 1060 – Centro
Complemento: Entre Rua da Bahia e Avenida Carandaí

Telefone: 156
(31) 3277 4914

Horário de Funcionamento: domingo das 8h às 14h

Patrocinado