Renato Enoch

Cantor e compositor mineiro Renato Enoch reflete sobre a vida adulta e as trajetórias em “Antes de Chegar

Lançado nas plataformas digitais de streaming na última sexta-feira, 25/8, trabalho é composto por sete faixas autorais, entre inéditas e canções de outras fases da carreira; músicas serão acompanhadas por vídeos em formato visualizer

Vivências pessoais e doses de fantasia que se entrelaçam na construção de uma narrativa tanto esperançosa quanto pessimista sobre o tempo e a ideia de tornar-se adulto e lapidar uma trajetória artística. Assim pode ser definido o enredo de “Antes de Chegar”mini álbum do cantor, compositor e artista visual mineiro Renato Enoch, lançado nas plataformas digitais de streaming na última sexta-feira, 25 de agosto. O trabalho traz sete músicas autorais, sendo três inéditas e outras quatro compostas em diferentes momentos da carreira do artista – todas as faixas ganharão vídeos em formato visualizer, também criados por Renato Enoch, que serão publicados em seu canal no YouTube. 

“Antes de Chegar” é um projeto que nasceu há quase sete anos, com a intenção de compilar canções que antecedem o primeiro disco do artista, previsto para ser lançado em breve. Enquanto revisitava músicas gravadas entre 2016 e 2020, dentre as quais três nunca foram lançadas, Renato Enoch decidiu lançar o que ele batizou como mini álbum, “antes de o disco de músicas novas chegar”. Entre elas, estão músicas como “A Cruz”, lançada em 2019, sobre empatia e preconceito, que ganhou videoclipe com participação de Duda Salabert e outras cinco personalidades LGBTQIA+, e a emotiva “Pra Secar o Choro”, de 2020, que aborda o luto e os ciclos da vida.

“É um processo que me lembra aquelas viagens de carro, na infância, nas quais a gente pergunta ansioso se está chegando, ao mesmo tempo em que relembra e fantasia, olhando a vista. Sinto que na vida adulta há uma contradição diante do tempo, já que andamos ansiosos pelo futuro e também precisamos elaborar o passado”, reflete. “‘Antes de Chegar’ é dessas coisas que começaram há anos e que eu queria concluir. É sobre fazer as pazes com o passado para desfrutar o presente”, completa o artista, cujas canções passeiam por temas como cidade, angústia, medo e desejo de libertação.

A sonoridade e o universo visual do mini álbum

“Antes de Chegar” tem produção musical assinada por Fillipe Glauss e Renato Enoch, que descrevem o trabalho como “um mini álbum de indie pop brasileiro com atmosfera futurista”. A sonoridade propõe a fusão de texturas sintetizadas e eletrônicas com instrumentos tradicionais, influenciada por estilos como o dream pop, artpop, folktronica e R&B. Com formação em design gráfico e experiência no audiovisual, Renato Enoch participou ativamente das criações visuais que acompanham o seu som. Desta vez, o artista produziu os vídeos em formato visualizer que vão unir criar um universo visual responsável por unir sua música a elementos da filmagem, da fotografia e da colagem digital.

O ator presente nos vídeos é o sobrinho de Renato Enoch, João, de sete anos, que virou capa do single “Eremita”e se divertiu no meio de cenários artificiais e fantasiosos, simbolizando o retorno ao passado e a narrativa sobre o crescimento. Já a capa do mini álbum foi criada pela designer Jamile Faller, ainda em 2017, que explorou a colagem como estética, inspirando a criação do universo visual concluída neste ano.

Já está no ar o vídeo de “Eremita”, faixa que abre o mini álbum. Os próximos serão publicados nas semanas seguintes ao lançamento de “Antes de Chegar”, a partir do dia 3 de setembro, no canal do artista no YouTube

Sobre Renato Enoch

Cantor, compositor e artista visual de Belo Horizonte (MG), Renato Enoch começou sua trajetória por meio de versões produzidas em seu próprio quarto, unindo elementos da música brasileira e do indie pop, com synths e experimentações eletrônicas. Reinterpretou canções conhecidas e lançou músicas autorais que hoje acumulam mais de oito milhões de visualizações noYouTube e mais de sete milhões de audições no Spotify

Em 2017, lançou sua primeira faixa autoral, a bem-humorada “Só in English”, cuja versão acústica teve participação de Ana Vilela. Depois, passou a trazer um tom mais melancólico para o trabalho com o lançamento de outras canções. No início de 2019, ganhou, na categoria “Música”, o “Prêmio “Beagá.Cool”, dedicado a iniciativas “Criativas, Originais, Ousadas e Locais” de Belo Horizonte. Logo depois, lançou a música “A Cruz”, junto a um videoclipe protagonizado por pessoas LGBTQIA+, dentre as quais se destacam a professora e ativista mineira Duda Salabert.

Ainda em 2019, lançou “Recortes”, projeto de releituras que rendeu o “POC AWARDS 2019”, premiação do “gay.blog” para os destaques da comunidade LGBTQIA+. Além de uma série de vídeos, a iniciativa contou com versões que marcaram a trajetória de Renato Enoch, divididas em dois EPs: “Recortes {B}” e “Recortes {A}”, o primeiro dedicado à música brasileira dos anos 70 e o segundo, mais pop e contemporâneo, com participações de Clara Valverde, Grag Queen, Bemti, Bruno Gadiol, Felipe de Oliveira e outros. A produção musical é assinada pelos mineiros Fillipe Glauss e Renato Enoch.

Em 2023, uma de suas releituras mais conhecidas, a versão de “Como Nossos Pais”, de Belchior (mais conhecida na voz de Elis Regina), se tornou parte da nova série do “Canal Brasil” e da “Globoplay”, chamada “Chuva Negra”. Com mistério e melodrama, a série retrata e celebra distintas relações familiares, com diversidade no elenco e nos personagens, além de investigar vários tipos de amor da atualidade. A temática da produção combina muito com o artista, já que Enoch, além de artista LGBTQIA+, carrega em suas interpretações e em sua identidade artística boa dose de intensidade e melancolia. 

RENATO ENOCH – “ANTES DE CHEGAR”

Escute.Neste link, o mini álbum nas plataformas de streaming

Vídeos. Acompanhe o lançamento dos visualizers neste link

Mais. Saiba tudo sobre Renato Enoch aqui

Adicionar Comentários

Clique para comentar