6ª Mostra Benjamin de Oliveira – 21 a 27/06

6 MOSTRA BENJAMIN DE OLIVEIRA APRESENTA PROGRAMAÇÃO QUE VALORIZA A CULTURA NEGRA, DE 21 A 27 DE JUNHO

Dois anos após sua última edição, a Mostra Benjamin de Oliveira retorna reafirmando o compromisso com a valorização da cultura negra, com apresentação de espetáculos de teatro, dança e teatro infantil, bem como palestra e oficinas,  de 21 e 27 de junho, de segunda-feira a domingo. A programação traz os espetáculos “Sonhos de Gaveta”, com Wesley Ribeiro (24/06), “E se todas se chamassem Carmem?”, com a Breve Cia (25/06), “Meu canto de graça”, com Cóccix Companhia Teatral (26/06) e “Abena”, da Cia. Bando (27/06). O evento é gratuito, com transmissão online ao vivo do Teatro Feluma, pelo YouTube da Cia. Burlantins (youtube.com/ciaburlantins). 

Criada em 2013, a Mostra Benjamin de Oliveira chega à sua sexta edição reafirmando o objetivo de valorizar a cultura afro-brasileira por meio do protagonismo dos corpos negros em cena, trazendo espetáculos que tenham um elenco predominantemente negro. Idealizada por Mauricio Tizumba, a Mostra é uma realização da Cia Burlantins, com produção da Napele Produções Artísticas. Esta edição – viabilizada por meio da Lei Aldir Blanc no âmbito do Estado de Minas Gerais – conta com curadoria da atriz Julia Tizumba.

A curadora também selecionou palestras e oficinas que completam a programação, com inscrições gratuitas pelo Sympla (sympla.com.br/napele). 

O nome da Mostra é uma homenagem a Benjamin de Oliveira, primeiro palhaço negro do Brasil, conhecido como o Rei dos Palhaços e considerado o criador do circo-teatro brasileiro. 

PROGRAMAÇÃO ESPETÁCULOS

24.06. quinta-feira. 20h

Sonhos de Gaveta . Wesley Ribeiro (dança)

Direção e elenco: Wesley Ribeiro | Duração: 25 min |Classificação: livre

O intérprete-criador Wesley Ribeiro realiza um mergulho interno em seus sonhos, seus projetos e seus anseios. A partir do isolamento social, foi convidado a olhar para si e captar as transformações do mundo externo para explorar caminhos ainda não percorridos. O hip hop, enquanto filosofia e estilo de vida, se torna o fio condutor deste diálogo entre sua dança e quem o assiste.

25.06. sexta-feira. 20h

E se todas se chamassem Carmem? . Breve Cia. (teatro)

Direção: Adriano Borges | Concepção e dramaturgia: Breve Cia. | Elenco: Anair Patrícia, Amora Tito e Renata Paz | Duração: 1h20 | Classificação: livre

Três Carmens. Talvez sejam muitas. Inclusive elas se enxergam umas nas outras. Elas querem falar sobre amor. Já tiveram tudo, inclusive alguém para amar. Ou já amaram a si mesmas. Irão falar, na verdade, sobre morte. As três têm algo em comum: uma verborragia debochada sobre a situação do país em que vivem. Foram abortadas no tapa do nascimento e criadas por vermes da lata de lixo da cozinha da parte amarela da bandeira do maior país da América Latina.

26.06. sábado. 20h

Meu canto de graça . Cóccix Companhia Teatral (teatro)

Direção: Cida Falabella e Rogério Gomes | Dramaturgia: Rogério Coelho | Elenco: Marcus Carvalho, Rogério Gomes e Sinara Teles | Duração: 1h20 | Classificação: livre

Meu Canto de Graça conta as histórias de três personagens que têm um sonho em comum: ter um lugar. São eles um radialista e líder comunitário; uma mulher que tem apenas o dia e a noite como casa; e um vendedor em luta com a questão financeira. De que lugar esses personagens falam? Lugar de moradia, lugar de identidade, lugar de destaque, da periferia?… De todos eles. 

27.06.  17h . domingo

Abena . Cia. Bando (teatro infantil)

Elenco: Anderson Ferreira, Andréa Rodrigues, Fabiana Brasil e Rainy Campos | Duração: 1h | Classificação: livre

Que Abena é uma das princesas mais belas de todo o mundo, não há quem discorde! Pretendentes de todas as partes esperavam ter sua mão em casamento. Diante de tanto cortejo, o jeito foi fazer uma grande disputa! Mas o coração de Abena… Ah, o coração já estava preenchido de amor por alguém. Mas nessa disputa, quem será o vencedor?

PROGRAMAÇÃO ATIVIDADES FORMATIVAS

21 e 22 de junho. segunda-feira e terça-feira. 17h às 19h30

Oficina Encantoar .  Michele Bernardino

Inscrições pelo link: sympla.com.br/napele

Esta oficina tem como objetivo trabalhar a música individual a partir da escrevivência musical. Para isso, Michele Bernardino apresenta um panorama da música negra em diáspora na América. Partindo daí, explora a vivência desses artistas com a música, suas histórias, memórias e propõe exercícios e dinâmicas para desenvolvimento de composições musicais em diálogo com movimentos corporais na busca e resgate da autobiografia de cada um.

Michele Bernardino é atriz, cantora e professora de teatro. Atualmente é monitora de teatro e musicalização no projeto Arte da Saúde, além de ser integrante da Cia. Espaço Preto (2014), do Coletivo Transborda (2016), do Coletivo Akofena (2018). Pesquisa sobre o canto em diáspora negra, e a partir disso, desenvolveu trabalhos como o espetáculo “Encantoado”, “Canto ao Mar”, o poket show “Atlântida Negra”, e direção musical no espetáculo “Revoadas”, “Uma, outra”, dentre outros, e atualmente está em processo criativo com o show ARRUDA I.

23 e 24 de junho. quarta-feira e quinta-feira. 17h às 19h30

Oficina Contação de Histórias .  Fabiana Brasil (Cia. Bando)

Inscrições pelo link: sympla.com.br/napele

A oficina será um espaço de compartilhamento de possibilidades de narração de histórias e dos lugares que essa performance pode habitar. Entendendo que todas e todos são contadores/as de histórias, a oficina tem o objetivo de acolher e oferecer elementos para que a contação de história possa instigar o público a visualizar espaços, imaginar outras formas e construir novos caminhos por meio das palavras narradas. Ao propiciar esse momento, a Cia. Bando deseja olhar para as diversas possibilidades de contar histórias, incentivando criações de novas subjetividades, de saberes e de memórias.

Fabiana Brasil é atriz, contadora de histórias e doutoranda em literaturas de língua portuguesa na PUC/MG. É graduada em letras pela UFMG e formada no curso técnico de ator no Teatro Universitário da UFMG. Integra a Cia. Bando de Belo Horizonte, dedicada ao teatro para as infâncias. Sua trajetória, de pesquisas e práticas, segue o percurso da escrita de mulheres negras.

25 de junho. sexta-feira. 17h30 às 19h30

Palestra Teatralidades Negras e as várias possibilidades de pensar-ser-estar em cena . Soraya Martins

Inscrições pelo link: sympla.com.br/napele

A conversa pretende refletir as teatralidades contemporâneas negras como gestos que movimentam e fissuram as determinações políticas e éticas impostas e, ao mesmo tempo, imaginam as existências e as estéticas pretas através de outros textos, gramáticas, narrativas, saberes, tradições e quereres.

Soraya Martins é atriz, crítica de teatros e curadora independente. Foi curadora do Fit-BH 18 e Fiac- BA 19. Escreve críticas para segunda PRETA, Horizonte da Cena e festivais de teatro. É doutora em Letras, cuja tese é um estudo sobre as Teatralidades Negras Contemporâneas.

26 e 27 de junho. sábado e domingo. 14h às 17h

Dramaturgia como arte da escrevivência . Amora Tito (Breve Cia)

Inscrições pelo link: sympla.com.br/napele

A oficina visa propor uma vivência e imersão de corpos diversas, descobrindo suas escrevivências por meio de bate-papos, jogos teatrais, jogos de criação dramatúrgica e a prática da escrita voltada para a cena contemporânea.

Amora Tito é atriz, dramaturga e diretora formada pelo CEFART. Atualmente cursa licenciatura em teatro na Escola de Belas Artes (UFMG). Pesquisadora das dramaturgias contemporâneas, fez parte do Núcleo de Pesquisa em Dramaturgia do Galpão Cine Horto e é integrante do NED – Núcleo Experimental de Dramaturgia da UFMG. Também é integrante e co-fundadora da Breve Cia e compõe a equipe pedagógica da Breve Cursos Livres.

6ª Mostra Benjamin de Oliveira

23.06 a 27.06, quarta-feira a domingo.

Programação gratuita. Transmissão online dos espetáculos direto do Teatro Feluma  pelo YouTube da Cia Burlantins  – youtube.com/ciaburlantins

Inscrições gratuitas para palestras e oficinas pelo Sympla

Adicionar Comentários

Clique para comentar