Violinista Marcos Rabello no Bar do Museu do Clube da Esquina 25/06

Violinista Marcos Rabello faz novo Show em homenagem a Didier Lookwood

Bar do Museu do Clube da Esquina recebe Show

No próximo dia 25 de junho,às 21h, o violinista Marcos Rabello tem um novo encontro com a música. Em um show inédito no Bar do Clube da Esquina, em Santa Teresa, o cantor apresenta seu repertório.

O show será um tributo ao violinista francês Didier Lookwood, falecido em 2018. Entre as faixas, também haverá o toque de Alain Caron, Antônio Faraó, Michel Urbanlak, Jean-Marie Cay e Jean-Luc Ponty. Jazz da melhor qualidade. A faixa autoral é Texas 2002 e música Quark, de Didier Lookwood, será a novidade nesse repertório que vai compor o show de 1:30h.

Marcos comemora não só a volta dos shows mas também, o lançamento de seus vídeos em suas plataformas digitais, e foram gravados em um show em abril deste ano.

Segundo Marcos Rabello, Didier Lookwood foi um grande músico de jazz fusion contemporâneo. “Ele era uma referência mundial neste estilo e deixou um trabalho bem extenso, com várias composições instrumentais. O jazz fusion tem uma pegada mais envolvente, menos complexo, e bastante intenso”, comenta.

Ele ainda completa: “É um desafio realizar esse trabalho e uma grande responsabilidade. Nossa missão é passar ao público uma energia positiva, com a emoção das baladas românticas e a intensidade das faixas mais animadas do jazz fusion. Ver o resultado de todo o trabalho é muito gratificante e espero que o público goste”, diz Rabello.

Sobre o artista:

Marcos Rabello é violinista, compositor e intérprete.Sua trajetória passa por influências universais como pop, soul e jazz aliadas a um sotaque indiscutivelmente mineiro. Marcos descobriu sua vocação através da música erudita, mas a paixão pelo rock progressivo traçou um novo caminho em sua carreira, definindo a escolha pelo popular.

Ele sempre buscou seu estilo próprio e começou cedo os estudos. Passou por mestres como os professores Buza e Mattos, além de Maria Durek, e participou de orquestras e cameratas por mais de dez anos. Hoje se dedica ao estudo do violino no jazz com o professor e amigo Rudi Berger e ao seu trabalho autoral. Já marcou presença em dois projetos coletivos de música instrumental: o primeiro é “Click”, lançado em 1998 com aprovação da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e que inclui parceiros de peso como Milton Ramos, Nenén, Marcelo Rocha e Clóvis Aguiar. O segundo, “Aquelas Coisas” com Milton Ramos, Jimmi Durchwny e Idriss, gravado em 2001. Em ambos os trabalhos, Marcos foi produtor e instrumentista. Em novembro de 2003 lança o CD “Todas as Cores”: convida amigos, profissionais reconhecidos, compõe, toca e interpreta.

Local: Bar do Museu do Clube da Esquina

Endereço: Rua Paraisópolis, 738 – Santa Teresa.

Data: 25 de junho

Horário: 21h