Musical A Cor Púrpura no Sesc Palladium 25/03 a 27/03

“A COR PÚRPURA, O MUSICAL”, BASEADO NO LIVRO DE ALICE WALKER, PELA PRIMEIRA VEZ EM BH

Com direção de Tadeu Aguiar e versão brasileira de Artur Xexéo, espetáculo musical inédito no Brasil traz à cena 18 grandes atores do teatro brasileiro como Letícia Soares, Sérgio Menezes, Erika Affonso e Flavia Santana. Apresentações em Belo Horizonte acontecerão nos dias 25, 26 e 27 de março, no Grande Teatro do Sesc Palladium.

Escrito em 1982, “A Cor Púrpura” é uma saga familiar inspiradora que conta a inesquecível história de uma mulher que, por meio do amor, encontra a força para triunfar sobre a adversidade e descobrir sua voz no mundo. Com o livro, Alice Walker foi a primeira escritora negra a ganhar o Pulitzer. Em 1985, a obra foi adaptada para o cinema, com direção de Steven Spielberg, e recebeu 11 indicações ao Oscar. Passados quase 40 anos, a publicação de Alice Walker continua contemporânea ao retratar relações humanas de amor, poder, ódio, em um mundo pautado por diferenças econômicas, sociais, étnicas e de gênero.

Com direção de Tadeu Aguiar e versão brasileira de Artur Xexéo, “A Cor Púrpura, o Musical” estreou em setembro de 2019, com temporadas no Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador, e um imenso sucesso de público e crítica, com 75 prêmios das 87 indicações que recebeu. O retorno aos palcos após a pandemia aconteceu em novembro de 2021, em São Paulo. Agora, após temporada no Rio de Janeiro nos meses de janeiro e fevereiro, a montagem saí em turnê por diversas cidades do país. Pela primeira vez em Belo Horizonte, o espetáculo ficará em cartaz nos dias 25, 26 e 27 de março (sexta e sábado, às 20h30 e domingo às 18h), no Grande Teatro do Sesc Palladium.

“A Cor Púrpura, o Musical” se passa na primeira metade do século XX, na zona rural do Sul dos Estados Unidos, e narra a trajetória e luta de Celie (Leticia Soares) contra as adversidades impostas pela vida a uma mulher negra. Na adolescência, a personagem tem dois filhos de seu suposto pai (Jorge Maya), que a oferece a um fazendeiro local para criar seus herdeiros, entre eles Harpo (Alan Rocha), lavar, passar e trabalhar sem remuneração. Ela é tirada à força do convívio de sua irmã caçula Nettie (Merícia Cassiano) e passa a morar com o marido Mister (Sergio Menezes). Enquanto Celie resigna-se ao sofrimento, Sofia (Erika Affonso) e Shug (Flavia Santana) entram em cena, mostrando que há possibilidade de mudanças, novas perspectivas, esperança e até prazer. A saga de Celie é permeada por questões sociais de extrema relevância até os dias atuais como a desigualdade, abuso de poder, racismo, machismo, sexismo e a violência contra a mulher.

“Por trás da história de Celie, há uma crítica à relação entre homens e mulheres, ao poder dado ao homem em uma sociedade que ainda luta por igualdade entre gêneros, etnias e classes sociais. Um espetáculo que retrata um pedaço do mundo no início do século XX, mas que nos mostra a atualidade dessas questões”, diz o diretor, Tadeu Aguiar.

Com versão musical inédita no Brasil, o musical traz à cena 18 atores, 90 figurinos, um palco giratório de 6 metros de diâmetro e uma escada curva com sistema de traveling em volta do cenário. Nesta retomada teatral, o elenco, na sua maioria escolhido por testes, permanece praticamente o mesmo. Além de Leticia Soares, Flavia Santana, Sergio Menezes, Erika Affonso, Alan Rocha e Jorge Maya, completam o elenco Larissa Noé (Gralha); Suzana Santana (Jarene); Hannah Lima (Doris); Cláudia Noemi (Darlene); Caio Giovani (Grady); Leandro Vieira (Buster); Gabriel Vicente (Bobby); Thór Junior (Pastor); André Sigom (Soldado); Nadjane Pierre (Solista da Igreja,); Leo Araújo (Emsemble).  A música é de Brenda Russell, Allee Willis e Stephen Bray, direção musical é de Tony Lucchesi, produção de elenco de Marcela Altberg, cenário de Natalia Lana, figurinos de Ney Madeira e Dani Vidal, coreografias de Suely Guerra e produção de Tadeu Aguiar e Eduardo Bakr.

O espetáculo é apresentado pelo Ministério do Turismo e pela Bradesco Seguros, com patrocínio da Eletrobrás. A temporada em Belo Horizonte tem produção local da Pólobh e conta com o apoio cultural do Sesc em Minas, promoção exclusiva do Jornal O Tempo e Rádio Super Notícia, e apoio da Fredizak e Soubh.

Dias 25, 26 e 27 de março (sexta e sábado, às 20h30 e domingo às 18h)

Grande Teatro do Sesc Palladium

Ingressos: pela Sympla – https://bileto.sympla.com.br/event/71395/d/125604

ValoresInteiraMeia-entrada
Plateia IR$ 140,00R$ 70,00
Plateia IIR$ 100,00R$ 50,00
Plateia IIIR$ 75,00R$37,50