Lírico ao Meio-Dia e Lírico em Concerto 02/08 e 03/08

CORAL LÍRICO DE MINAS GERAIS PETITE MESSE SOLENNELLE

Para o maestro HERNÁN SÁNCHEZ, obra de Gioachino Rossini é uma oportunidade de olharmos novamente para a vida, após a pandemia da Covid-19

Obra acompanha as cinco partes do texto litúrgico: Kyrie, Glória, Credo, Sanctus e Agnus Dei

Apresentações acontecem em dois dias: na terça, com entrada gratuita, e na quarta, Noite de Gala, com preços populares

A Fundação Clóvis Salgado apresenta, por meio do Coral Lírico de Minas Gerais, mais uma edição da série Lírico ao Meio-Dia e Lírico em Concerto. A apresentação contará com a obra Petite Messe Solennelle (Pequena Missa Solene), do compositor italiano Gioachino Rossini. O concerto possui regência do maestro convidado, o argentino Hernán Sánchez, e tem participação dos solistas Marly Montoni (soprano), Denise de Freitas (mezzosoprano), Gustavo Eda (tenor) e Luiz Felipe de Sousa (baixo-barítono). O acompanhamento é de Fred Natalino, no piano, e Thema Lander, no órgão.

O maestro Hernán Sánchez enxerga a “Pequena Missa Solene” como um festejo para a alma, umaótima alternativa para quem gostaria de ter contato com a música clássica pela primeira vez, e também para quem já se encanta com a música coral. “Rossini está agora muito perto do público. É uma obra maravilhosa, com solistas interpretando as árias mais difíceis já escritas pelo compositor”, explica.

A missa possui uma característica muito especial, que levará o público a um sentimento necessário após um período longo em isolamento social: a vitalidade. “A Pequena Missa Solene está cheia de vida, não podemos deixar de escuta-la. O Coral Lírico se encarrega a todo momento de transmitir euforia, alegria, súplica, e até mesmo a tragédia, ao final da obra. Os solistas também fazem um papel muito importante de transitar por todos esses estados de ânimo”, revela o maestro.

Em uma sociedade fragilizada pela solidão e enfermidades, como nos últimos dois anos, a música chega como um respiro. “Recebemos uma carícia na alma ao escutar a “Pequena Missa Solene”. A obra mostra com simplicidade – mesmo sendo complexa, por estabelecer contrapontos no canto – uma oportunidade de olhar para a vida novamente”, ressalta Hernán. 

Gioachino Rossini compôs a obra Petite Messe Solennelle (Pequena Missa Solene), em 1863, dedicando sua criação à esposa do Conde Alexis Pillet-Will. Composta originalmente para 12 cantores e quatro solistas, foi uma das últimas obras criadas pelo italiano, e está inserida na tradição napolitana do século XVIII – mais tarde, o compositor produziu uma versão orquestral.

Estruturada como uma missa cantada, Petite Messe Solennelle segue as cinco partes do texto litúrgico (Kyrie, Glória, Credo, Sanctus e Agnus Dei), por meio de vários movimentos estendidos – a nomenclatura “petite” foi dada em tom de ironia. Esta versão da missa não foi interpretada durante a vida do compositor por falta de permissão para executá-la em uma igreja. Ela foi apresentada pela primeira vez três meses após a morte de Rossini, em Paris, em 1869.

PETITE MESSE SOLENNELLE | Lírico ao Meio-Dia

Local: Grande Teatro Cemig Palácio das Artes

Data: 2 de agosto (terça-feira)

Horário: 12h

EVENTO GRATUITO

PETITE MESSE SOLENNELLE | Lírico em Concerto

Local: Grande Teatro Cemig Palácio das Artes

Data: 3 de agosto (quarta-feira)

Horário: 20h30

Ingressos: R$20,00 (inteira); R$10,00 (meia-entrada)

Endereço: Av. Afonso Pena, 1.537, Centro, Belo Horizonte

Informações para o público: (31) 3236-7400 | www.fcs.mg.gov.br

Adicionar Comentários

Clique para comentar