Baianas Ozadas se engaja para ajudar moradores de comunidades em BH

Integrantes do bloco e a ONG Querubins se mobilizam para contribuir para a campanha solidária “Amor que não acaba”, que visa ajudar as famílias que estão sofrendo com as consequências da pandemia de Covid-19

Os moradores das comunidades da Vila Acaba Mundo, Aglomerado Santa Lúcia e Morro do Papagaio, em Belo Horizonte, estão sentindo de forma potencializada os efeitos da pandemia de Covid-19, tanto no aspecto econômico, quanto as vidas que foram perdidas. Para ajudar as famílias a passarem por este momento tão difícil, o bloco Baianas Ozadas e a ONG Querubins mobilizam a campanha “Amor que não acaba”, que tem como objetivo arrecadar alimentos, materiais de higiene, limpeza, cobertores, roupas, entre outros itens para moradores de comunidades atingidas fortemente pela pandemia da Covid-19.

Como todos os blocos de carnaval e profissionais da cultura e entretenimento, o Baianas Ozadas também sentiu os efeitos da crise de saúde mundial. Mesmo assim, os integrantes continuam engajado em ações de responsabilidade social, o que é uma constante desde 2017, com campanhas e apoio a entidades como a Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, a Apae-BH e a ONG Projeto Ammor.

O Baianas Ozadas também é parceiro da Associação Querubins, entidade em que três músicos profissionais da banda cresceram e se formaram artisticamente. “Em 2018, começamos a nos aproximar e tornar parceiros da ONG Querubins, que fica localizada na Vila Acaba Mundo e realiza um lindo trabalho com crianças e adolescentes na promoção de atividades culturais, educativas e de cidadania”, destaca Geo Cardoso, criador e coordenador do bloco.