9º Festival do Patrimônio Cultural de Paracatu 05/07 a 10/07

Restaurante de Paracatu Resgata e Homenageia a História das Comitivas de Boi Através da Gastronomia Mineira

Dourato apresenta o prato “Caldeirão da Comitiva” na Etapa Cozinha

Mineira Paracatuense do Festival do Patrimônio Cultural edição 2022

O Empório e Wine Club Dourato, localizado no coração do centro histórico de Paracatu, está entre os 22 estabelecimentos que estão participando da etapa gastronômica do Festival Cultural de Paracatu 2022, realizada de 8 a 30 de junho, e traz o prato “Caldeirão da Comitiva” como uma forma de homenagear as comitivas mineiras de boi.

Os ingredientes especiais escolhidos para o festival desse ano foram carne de lata, milho verde e queijo artesanal. Com isso, Deyse Amaral, proprietária do Dourato buscou resgatar a história de sua família e buscou inspiração em seu avô, que fazia parte das comitivas mineiras de gado, para recriar a comida típica que esses trabalhadores comiam.

“As comitivas demoravam meses para transportar gados de uma cidade para a outra e enfrentavam muitos problemas pelo caminho. Era um desafio para o cozinheiro da comitiva não deixar os ingredientes mais importantes molhar, e conseguir fazer uma comida saborosa, rápida e que desse ‘sustância'”, conta Deyse.

Senhor Agnaldo Amaral, avô de Deyse, tem 92 anos e relembra da época em que trabalhava nas comitivas para garantir o sustento da família depois que seu pai morreu. “O que não podia faltar na comitiva era carne de lata e o queijo com rapadura, e a paçoca de carne socada no pilão.”

Agnaldo lembra de como era o processo pra fazer o queijo: “Matava tatu e enchia o bucho de sal, pendurava ele no pé de uma árvore por dois, três meses… Depois cortava um pedacinho do couro do bucho e colocava de molho na água e o ‘trem’ ficava amarelinho”.

Ainda hoje, muitas famílias representam a gastronomia mineira por meio da agricultura familiar que, além de ser super saudável tem seu charme de algo feito com carinho desde a sua plantação. O prato “Caldeirão da Comitiva” é feito com ingredientes fresquinhos vindos direto da fazenda da família.

No caldeirão tem: uma porção generosa de arroz soltinho, com carne de porco caipira conservada na banha (a típica carne de lata raiz feita pela Dona Custódia Oliveira, avó da Deyse), milho verde bem novinho, cebola, tomate e uma pitada de açafrão. Pra finalizar, uma bela “taia” de queijo da roça acompanha essa delícia.

A receita é um resgate à cultura e história das comitivas mineiras, sendo servida num pequeno caldeirão de ferro, assim como faziam os tropeiros antigamente. Uma homenagem de sabor indescritível que nos faz viajar no tempo.

Para Deyse é um prazer poder contribuir trazendo um resgate da memória de seus avós com esse prato. “Não é só participar, é fazer uma homenagem aos meus avós, que graças a Deus ainda estão vivos, que vão poder participar contribuindo e também experimentando o prato. Então para mim é uma alegria dupla”, afirma.

Falar de cozinha mineira é falar de amor, de paixão, de origem e, principalmente, de experiência. É impossível não se emocionar ouvindo os causos do Sr. Agnaldo sobre as comitivas, uma mistura de cultura e gastronomia que é fundamental preservarmos.

DIA DA GASTRONOMIA MINEIRA

Celebrado em 5 de julho, o Dia da Gastronomia Mineira surgiu em homenagem ao nascimento do escritor Eduardo Frieiro, autor de “Feijão, Angu e Couve – ensaio sobre a comida dos mineiros”. A data comemora, divulga e valoriza nossa cozinha, que nasceu  principalmente da mistura das cozinhas portuguesa, africana e indígena. 

A cozinha mineira é um convite aos sentidos e sentimentos e além deste 5 de julho, merece ser celebrada todos os dias. Seja pela sua capacidade econômica, social, turística ou afetiva!

Data: 5 e 10 de julho


Local: Largo do Rosário

Cozinha Mineira Paracatuense

Data: 8 a 30 de junho


Local: Restaurantes e similares participantes


Premiação: Dia 9 de julho