FICC se prepara para edição digital em 2020 14/09 a 19/09

Mais importante evento no ramo de cervejas especiais em Minas Gerais, festival será realizado em formato diferente e o público poderá desfrutar as atrações sem sair de casa

Muito mais que um evento, sensações. Com cinco anos de história e seis edições no currículo, o Festival Internacional de Cerveja e Cultura (FICC) em 2020 acontecerá em formato inédito. Devido à pandemia, a programação será veiculada em plataformas digitais, fazendo com que o público entre na atmosfera cervejeira sem sair de casa. Com um sobrenome pensado justamente para esse período em particular, o FICC Em Casa acontece entre 14 e 19 de setembro, com uma edição especial, a maior até hoje. A realização é da Play Cultural e da Dimensão Eventos.

O que começou como um grande festival de cerveja e música, em 2015, agora se transforma em um encontro de experiências. O evento se consolida como o mais importante no ramo de cervejas especiais em Minas Gerais. Em um momento tão conturbado, a ideia é, acima de tudo, contribuir para a construção de um mundo melhor.

Para este ano, estão na programação modelos de lives especiais, com performances veiculadas no próprio Instagram do festival (@festivalficc) e no canal do YouTube, e a presença de restaurantes locais renomados. Participam as principais cervejarias mineiras e algumas do Brasil, com destaque para a produção de Belo Horizonte. A estrela internacional é a uruguaia Patricia Lager. Também acontecem shows musicais on-line com bandas de grande expressividade e mesas de debate, um espaço aberto para a cultura e o conhecimento.

Entre as atrações musicais, o FICC recepciona um time seleto de artistas. A Singles Plays Pearl Jam faz live comemorativa de seus 20 anos de estrada, a única banda no mundo licenciada pelo Pearl Jam para, inclusive, comercializar interpretações das canções da trupe de Eddie Vedder.

Os Marcianos, conjunto formado pelos músicos PJ, baixista do Jota Quest, e Kiko Peres, guitarrista e fundador do Natiruts, junto a Xande Tamietti e Adriano Faquine, ex-parceiro de Cássia Eller, nesta edição do FICC convidam especialmente o cantor Rogério Flausino para a transmissão pela internet.

A novíssima Bob Malas é uma reunião de grandes músicos da capital mineira, que se unem para homenagear Bob Marley, dentro das comemorações realizadas no mundo inteiro, em 2020, pelos 75 anos de nascimento do rei do reggae. Participam do projeto nomes como PJ, do Jota Quest, Henrique Portugal, do Skank, o baterista Glauco Mendes, do Pato Fu, o vocalista Mateus Gontijo, da banda Terral, Leo Lachini, ex-guitarrista do Tianastácia, e a cantora Nêga Kely, presença feminina no grupo.

O FICC recebe ainda uma live de blues com um convidado internacional. A banda mineira Audergang convoca o saxofonista e clarinetista holandês Ben Mendes.
Na gastronomia, um ponto alto será o FICC Burger Beer. Djalma Victor (OssO – Mind The Bones) e Paulo Vasconcellos (OssO, Bravo Catering e Seu Burger) são os chefs convidados para fazer um hambúrguer com molho à base de cerveja.

O FICC abraça ainda a baixa gastronomia, em bate-papo com representantes de botecos, com a participação de Nenel, Bolota e Bruno Vilaça, do Butecos do Coração, projeto criado durante a pandemia para fomentar financeiramente os estabelecimentos do ramo que vêm até enfrentando o risco de fechar as portas. A live com os botecos será transmitida diretamente do Bolota’s Bar e tem como atração o músico Maurinho Berrodágua.

O FICC realizará ainda um tour pelos Butecos do Coração. O fotógrafo Victor Schwaner, especializado em gastronomia, vai registrar os pratos típicos de cada boteco. A intenção é criar um roteiro virtual, um book sobre os estabelecimentos, que será outro legado do festival. O material, com as imagens e o histórico dos botecos, estará disponível para quem quiser, em um segundo momento, ser propagador da cultura botequeira belo-horizontina.

O formato digital possibilita a interação com rótulos de outros estados. Mesmo sem participação oficial no FICC, produtores pelo país têm a chance de divulgar suas cervejas, lançando mão do espaço aberto pelo evento, e fazendo o papel de porta-vozes do FICC, explorando os conteúdos do festival. Está fechada parceria, por exemplo, com fabricantes de Curitiba e Natal.

O festival prevê a discussão de conteúdos paralelos, com temas relacionados a gastronomia, acessibilidade para eventos, assuntos relevantes e atuais do mercado cervejeiro, como a reinvenção do setor, no cenário do novo normal.

No cronograma, live sobre responsabilidade social e acessibilidade para eventos (14/09), live de Buteco (15/09), Webinar/Mesa cervejeira (16/09), Cozinha Show (17/09), live de Blues (18/09) e live musical (19/09).

Em ação solidária, tudo o que for arrecadado com o evento será revertido para o Instituto Viva Down (@vivadown), e os projetos Salve a Graxa BH (@salveagraxabh) e Butecos do Coração (@butecosdocoracao). As pessoas que fizerem doações terão a chance de participar de um concurso cultural e concorrem a prêmios.

Assinantes do clube Cervejabox receberão um kit de cervejas para degustação, com marcas como  Albanos, Krug Bier, Capa Preta, Sátira e Laut Beer, além da estrangeira Patricia Lager. O Cervejabox é original de São Paulo, e o FICC proporciona o intercâmbio com as cervejarias de BH para mais de 2 mil pessoas em todo o Brasil, o número de assinantes do clube.

Outra opção, para quem não é assinante, será o kit Beer FICC, disponível para compra on-line, que será entregue em casa durante o período do festival com opções de cervejas, além de copos e camisas. Uma ideia para aproveitar a programação na companhia de uma boa gelada.

Até hoje, são seis edições do FICC, mais de 500 artistas escalados, mais de 200 cervejarias envolvidas, mais de 500 rótulos de cerveja e mais de 100 mil participantes. Em 2020, todos os protocolos de segurança quanto à prevenção do coronavírus serão seguidos nas gravações das lives.

Adicionar Comentários

Clique para comentar