Exposição As coisas quando não são mais elas até 25/03

“As coisas quando não são mais elas”, exposição de Carolina Botura, até 25 de março no Memorial Minas Gerais Vale

Escultura, pintura, desenho, instalação, som e performance compõem a mostra. As obras propõem diálogos sobre instabilidade e permanência, resistência e fragilidade, desgaste e transformação.

A passagem do tempo, os vestígios da intensa circulação midiática de imagens, as ligações cósmicas e os sintomas da contemporaneidade permeiam as obras de Carolina Botura expostas no Memorial Minas Gerais Vale – no Circuito Liberdade. Aberta à visitação até 25 de março, a mostra “As coisas quando não são mais elas”, com curadoria assinada por Eduardo de Jesus, encerra o ciclo Jovens Artistas Mineiros 2017. Esta é a segunda exposição individual da artista, que no passado apresentou “Casa para um animal” na Galeria do BDMG Cultural, em BH.

Com um rigoroso e poético protocolo experimental que atravessa os limites das manifestações artísticas, as obras de Carolina promovem diálogos em suas formas de produção que expandem e redimensionam o uso de materiais como gesso e mármore. Os trabalhos de Botura ainda salientam a força do tempo, a eminência da catástrofe, as relações cósmicas e os inevitáveis desgastes e transformações. Essa dinâmica ganha força tanto nas esculturas/instalações que manejam fragilidade e resistência quanto nas potentes composições dos desenhos e pinturas. “As obras exigem do visitante um olhar que consiga perceber, nas frestas, nas ausências e nas lacunas o desdobramento de um potente registro do nosso tempo”, ressalta o curador Eduardo de Jesus. “E não seria a instabilidade condição da permanência?”, questiona Carolina acerca das transmutações que envolvem sua pesquisa.

“A arte também é feita para que o público navegue outros modos de consciência, ativação e existência sensível, aproveitando para ampliar suas percepções em outros níveis que não necessariamente passam pela racionalidade lógica”, enfatiza Botura.

 Sobre a artista

Carolina Botura é poeta, artista plástica e performer graduada em Pintura e Escultura pela Escola Guignard – UEMG. Suas pesquisas envolvem tempo, natureza, animalidade, dinheiro, fogo, choque, explosão, amor, violência, magia, movimento, feminismo, noise e morte. Trabalha cruzando linguagens e tendo a ação como disparadora de sua criação em diversas mídias. É co-idealizadora da Ex Tre Ma, projeto de confluência artística e festival de música independente, marginal e de resistência articulado por artistas de diversas linguagens de MG e outros Estados; e da Vespa*, via de experimento em performance e ação composta por artistas de diferentes meios e linguagens que desenvolvem pesquisas relacionadas às artes do corpo na contemporaneidade. Participou de mostras coletivas, individuais e residências no Brasil e no exterior. Em 2017 apresentou as individuais “Casa para um animal”, na Galeria do BDMG Cultural; “∆”, no Espaço Lava, em BH; e participou do FIME – Festival Internacional de Música Experimental de São Paulo. Em 2018 participou das coletivas “Xenon 2018”, na Galeria Mama/Cadela, e “Cisco Lasca Triz”, na Galeria Dotarte. Integra os projetos de investigação sonoplástica O∆H e Basilabusi.

 

Data: até 25 de março, domingo

Horário: conforme funcionamento do museu

Local: Memorial Minas Gerais Vale

*Entrada gratuita

Memorial Minas Gerais Vale

Endereço: Praça da Liberdade, 640, esq. Gonçalves Dias

Horário de funcionamento:

Terças, quartas, sextas e sábados, das 10h às 17h30, com permanência até 18h. Quintas, das 10h às 21h30, com permanência até 22h. Domingos, das 10h às 15h30, com permanência até 16h.

Adicionar Comentários

Clique para comentar