A força do coletivo na obra de Renato Morcatti de 24/06 a 28/08

Escultor e desenhista apresenta no CCBB-BH sua primeira exposição individual, intitulada “Pirajá”, em cartaz a partir do dia 24 de junho
“Pirajá” é a primeira exposição individual do escultor e desenhista belo- horizontino Renato Morcatti. A mostra, que teve sua exibição inaugural em Brasília, no Museu Nacional da República, chega agora à cidade natal do artista. A partir do dia 24 de junho, o trabalho vai ocupar três salas do piso térreo do CCBB-BH, reconfigurado especialmente para se alinhar à arquitetura e às especificidades do prédio tombado. Trata-se de um conjunto de objetos cerâmicos de pequenos formatos realizados em três técnicas distintas – o entalhe, a modelagem e a fundição –, queimadas na técnica Bizen, que foi introduzida em Minas pela artista Toshiko Ishii.
Acostumado a criar com materiais diversos – madeira, argila, cimento, aço etc –, Morcatti incluiu a cerâmica em seu repertório escultórico nos últimos três anos, um tanto instigado pelo desafio que surgiu de conversas com a ceramista Erli Fantini.
“Pirajá” é justamente o resultado dessa incursão pela técnica da cerâmica. A mostra é composta por três séries: “Entre”, “Nós” e “Segredos”. Cada uma delas é feita de múltiplas pequenas peças que, dispostas em conjunto, alcançam a intenção do discurso do artista. “Eu sou um artista escultor e desenhista, logo, quando vejo a escultura, enxergo também o desenho dela. Trabalhar com cerâmica em grandes formatos é um processo difícil, é preciso uma olaria como a de Brennand em Pernambuco. Então, fui produzindo pequenas peças e passei a enxergar o desenho das esculturas não na unidade, mas no conjunto”, explica Morcatti.
“Entre” conta com 290 peças; “Nós”, com 215; e “Segredos, com 270. O conceito de partes que formam o todo é fixado pelo título da mostra: Pirajá, do tupi, nasce da junção dos termos pira (peixes) e já (repleto), e é descrito como “lugar onde se coloca os peixes para serem tratados” ou “o que está repleto de peixes”. Segundo o dicionário Aurélio, seu significado vem da observação de um fenômeno telúrico: aguaceiro súbito e curto, violento e aluvial, acompanhando de ventania, comum nos trópicos, entre a costa da Bahia e os estados nordestinos. Pirajá, por fim, é ainda o nome do bairro onde Renato Morcatti tem sua casa-ateliê e que é cenário das tantas vivências desde a infância que o formaram como artista. “O que me interessa neste trabalho é isso: quanto maior o conjunto, mais o desenho da obra se expande no meu pensamento escultórico”, afirma ele.
Nuno Ramos, que assina o texto de apresentação da mostra, destaca a força do todo em “Pirajá”: “…a ideia de coleção aqui está atravessada pela de multidão – tudo é múltiplo. Não vemos tanto os objetos um a um, mas seu conjunto, a totalidade deles, que forma um desenho próprio. (…) Como se uma força anônima fosse arrastando e apagando o rosto, o nome, os traços de cada um de nós”.

AFETO E MEMÓRIA
O fio que une as três séries é feito de afeto e memória. Como na série “Entre”, um conjunto de pequenos totens “trancados” em gaiola de aço retangular, uma analogia a questões sobre liberdade, opinião e posicionamento. Em “Nós”, simulações de molhos de chaves, unidas por anel de couro, suspensas em um vergalho, tratam subjetivamente da instituição família e seu significado em mutação na sociedade. Em “Segredos”, aparecem objetos cerâmicos que são a representação da linha de encaixe dos segredos das chaves que fazem girar o tambor. Apresentados em agrupamento, provocam uma observação não plenamente identificável de suas formas, instigando impressões sobre o binômio masculino e feminino e os papéis que são atribuídos a cada qual.
Além das três séries, também será apresentada uma obra intitulada “O Guardião”, que Morcatti gosta de definir como um anti pan-óptico: em “Pirajá”, a escultura de 45cm – que futuramente pretende ser recriada e continuada em peças com dimensão de 2 metros de altura – faz jus ao nome, como um espectador dos espectadores que trafegarem pelo universo escultórico concebido pelo artista.

O ARTISTA
Bacharel em artes plásticas Escola Guignard, da UEMG, Renato Morcatti nasceu e vive em Belo Horizonte, onde mantém ateliê no bairro Pirajá, região nordeste da capital. Seu envolvimento com as artes remonta desde a infância. Aos 10 anos, morando com a família na mesma casa onde trabalha hoje, fazia das paredes do quarto de dormir telas para os seus desenhos. Desde adolescente, se tornou habitué na Escola Guignard, então ainda instalada no Palácio das Artes, e lá passava horas observando o movimento de alunos, professores e desenhando livremente. Foi residente no ateliê dos artistas Marco Túlio Resende e Thaïs Helt, onde experimentou técnicas diversas, da gravura e da litografia à escultura. Seu trabalho já foi exposto em diversas mostras coletivas e integra coleções particulares.

SERVIÇO
Exposição “Pirajá”, de Renato Morcatti
Visitação de 24 de junho a 28 de agosto de 2017 (quarta a segunda, das 9h às 21h). Centro Cultural Banco do Brasil Belo Horizonte – CCBB-BH (praça da Liberdade, 450, Funcionários). No dia 24 de junho, abertura com presença do artista das 10h às 14h. INFORMAÇÕES PARA O PÚBLICO: 31 3431-9503 | www.bb.com.br/cultura
Entrada gratuita

Patrocinado