Pintura – ou a Fotografia como Violência – Palácio das Artes 12/05 a 13/08

Éder Oliveira é representado pela galeria mineira Periscópio e apresenta 30 pinturas de nove séries, denunciando como descendentes de negros e índios são retratados nas páginas de violência nos jornais do Pará

A inédita exposição “Pintura – ou a Fotografia como Violência”  em Minas Gerais, revelando como a população paraense, amplamente negra e mestiça é retratada nas páginas policiais dos jornais, está na Galeria Genesco Murta, no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, de 12 de maio a 13 de agosto. O artista paraense Éder Oliveira, 35 anos, foi selecionado pelo edital de ocupação de artes visuais da Fundação Clóvis Salgado (FCS) sobre trabalhos que investigam tensões sociais da contemporaneidade. A exposição conta com 30 pinturas, divididas em nove séries, denunciando como o povo mestiço – grande parte da população, conclusão de pesquisa para investigar pessoas anônimas representadas pela mídia, iniciada em 2004.

As pinturas representam pessoas que ganharam destaque nas páginas policiais de jornais no Pará. A obra vai além de retratar rostos sem nome, instigando o visitante a enxergar as figuras fora do contexto em que vivem. O trabalho apresenta as figuras deixando uma situação de vulnerabilidade ou crime para assumirem um protagonismo artístico.

 

Adicionar Comentários

Clique para comentar